Receita de saúde para o ano novo: ter esperança e agradecer

Receita de saúde para o ano novo: ter esperança e agradecer

Maria Goretti de Franca, enfermeira do trabalho da área de Saúde Ocupacional da Petrobras, produziu um artigo encorajando a todos nós saber fechar e abrir ciclos de vida, como uma proposta de saúde em um conceito mais ampliado.

Lei a seguir o texto da Goretti:

É normal que nas celebrações de final de ano se sinta alguma tristeza pelo não feito, não conquistado, não alcançado. Isso reforça o desejo e a ideia de que mudar o ano levará consigo toda dor ou frustração do que foi ruim, e aumenta as expectativas em relação ao ano novo. É comum que a saudade acompanhe a memória de outros natais, fases ou momentos da vida em que estas celebrações tiveram outro brilho. Algumas pessoas se mostram mais vulneráveis e sensíveis neste período em função da nostalgia dessas experiências passadas, memória de pessoas ausentes e podem se sentir paralisadas em seu mal-estar. Outros realçam mais fortemente as boas memórias e se enchem de esperança no que virá.

Parar, fazer seu próprio balanço de perdas e ganhos, identificar o que está dentro e fora de suas possibilidades de intervir, descobrir novos meios de ampliar seu raio de intervenção, identificar formas possíveis de autocuidado, e de criar espaços de recarregar as próprias forças e energia são algumas das reflexões que a passagem do ano pode inspirar e despertar em nós.

E lembrando que atitudes de solidariedade e compaixão são também estimuladas fortemente neste período, no trabalho queremos sugerir que você olhe para dentro fazendo o seu balanço interior, mas também olhe em volta, veja o outro, acolha sua tristeza ou alegria, ouça-o falar de suas boas e más lembranças e renove junto com ele novos votos e coragem, força, cooperação, confiança e fé no que virá. O local de trabalho oferece grandes oportunidades de vinculação e construção de laços de afeto, essenciais para a saúde do corpo e da mente.

Atitudes de gratidão diante da vida fazem bem ao corpo e à alma. A capacidade de reconhecer um bem, um feito, uma condição, uma conquista na vida, é uma alegria revivida e partilhada, especialmente quando expressada, revelada àquele a quem o gesto de gratidão se dirige. Para o filósofo francês André Comte-Sponville, “a gratidão é a mais agradável das virtudes; não é, no entanto, a mais fácil. ” Sem dúvida não é fácil. É mais fácil enxergar o que falta que celebrar e agradecer o recebido. Ser grato pelo vivido e experimentado é poder reconhecer e devolver o mesmo bem àquilo ou àquele que nos fez bem. É amor retribuído. Quando somos gratos reconhecemos e nos apropriamos do bem que recebemos e isso multiplica e renova a nossa alegria. Sejamos gratos! Se observarmos com atenção, encontraremos porquê e para quem agradecer no nosso balanço de final de ano.

E quanto ao que não foi assim tão bom, ou mesmo ruim, dá pra transformar? Tem jeito? Se não, entregue… Se sim, coragem! Cuide do corpo, renove as forças e creia que pode transformar. A esperança é a outra palavrinha de ordem para a passagem do ano novo. Esperança, do verbo esperançar, como diria o sábio pedagogo. Não é espera. É ir atrás, construir, acreditar e fazer a mudança desejada. A lista de desejos é enorme, as promessas de mudanças são dezenas, mas a vontade de fazer deve ser maior.

Para ser auto efetivo em seus intentos e promessas, verifique cuidadosamente aquilo com que pode se comprometer e qual a forma mais estratégica de fazer dar certo. Me atrevo a dar algumas dicas como uma “simpatia” para alcançar promessas de Ano Novo:

1) Primeiro liste o que deu certo no ano anterior, especialmente onde conseguiu se superar. Celebre.

2) Analise os mecanismos que foram fundamentais para o sucesso dos seus projetos neste ano. Repita.

3) Liste o que deseja fazer e ou mudar, priorizando por importância em sua vida, impacto e simplicidade.

4) Uma coisa de cada vez. Eleja a prioridade e planeje a forma mais prática de fazê-la considerando seus recursos e limites e potencialidades.

5) Seja auto efetivo, considere suas forças e pontos fracos no seu planejamento. Por exemplo, não resolva iniciar atividade física as 6 da matina se tem o hábito de ir dormir muito tarde.

6) E, por fim, comece. Avalie, ajuste e mantenha.

Sucesso a todos! Um feliz Natal e excelente Ano Novo!

Maria Goretti Franca

Fonte: AMS/Petrobras — 23/12/2019.

Imagem: Pixabay.