CONAPE

O invulgar Heitor Manoel Pereira

Familiares, amigos,lideranças políticas, representantes das entidades sindicais de petroleiros, expressivos nomes da sociedade civil brasileira, foram prestar, nesta segunda-feira (10/03), as homenagens ao presidente da AEPET, Heitor Manoel Pereira, que faleceu na madrugada do dia 09/03/2008 (domingo)

José Carlos Moutinho (jornalista)*

heitor-pereira-1Heitor Pereira recebeu as honrarias em cerimônia que contou com as palavras iniciais do ex-presidente da AEPET e amigo de Heitor, o engenheiro Ricardo Maranhão. Discursaram, também, pelo Sindipetro-RJ, Francisco Soriano; o deputado Paulo Ramos (PDT-RJ); o diretor Cultural da AEPET, Ricardo Latgé; o conselheiro do Clube de Engenharia, Ernani Bottega; os netos de Heitor, Luciana Pereira Capanema Garcia e Carlos Eduardo Pereira Capanema Garcia. Na oportunidade foram cantados o Hino Nacional Brasileiro, Oração de São Francisco de Assis, leitura de poesias, além de muitas manifestações de respeito e admiração pelo insigne brasileiro.

Após o velório, realizado no Cemitério Vertical Memorial do Carmo, o corpo foi cremado nesta segunda-feira (10/03), às 15 horas. Nesses dias de tristeza, inúmeras pessoas foram saudar Heitor pela sua combatividade e intransigência na luta por um Brasil plenamente soberano, contra as investidas das oligarquias de qualquer origem. Ele sempre ressaltava que todos os combatentes devem saber identificar claramente o inimigo e unir forças contra todas as formas de opressão econômica e social.

Todos aqueles que estavam presentes,em uníssono gesto, ressaltaram a disposição de dar continuidade à luta empreendida por Heitor, seguindo o seu exemplo.

Continuaremos todos juntos, pelos mesmos sentimentos – O engenheiro e ex-presidente da AEPET, Ricardo Maranhão, proferiu discurso aos familiares de Heitor Pereira, aos dirigentes da AEPET, aos companheiros de luta em defesa do petróleo brasileiro, da soberania nacional, da justiça social, entre outras causas relevantes para o Brasil. Destacou que todos, sem exceção, foram “levar o seu profundo sentimento pela perda irreparável desse grande líder”.

“Heitor Pereira, um companheiro cuja personalidade teve como traços marcantes a simplicidade e a grandeza. A grandeza e o espírito combativo dos pernambucanos. Desde a juventude participou e empenhou-se nas lutas pela nacionalidade. Em duas ocasiões da sua vida foi vítima da intolerância política. Numa delas teve cassado o seu mandato de vereador e na outra foi demitido da Petrobrás. Conheceu, então, as ásperas dificuldades que tais situações impõe a um chefe-de-família. A intolerância e as injustiças jamais abalaram o espírito forte de Heitor Pereira. Em momento nenhum ele transigiu ou renunciou aos seus ideais”.

“Convivi com o meu querido amigo Heitor por muito anos e nunca percebi nele qualquer manifestação de mágoa ou de ressentimento. Ele era um espírito tolerante, generoso e compreensivo. Para ele, o fundamental mesmo e imprescindível era o desenvolvimento do nosso País com justiça social e soberania. Ele era tolerante e generoso, mas nunca omisso, nem indiferente. Ao contrário, sempre foi um lutador”.

“Como presidente da CONAPE, teve papel decisivo para a anistia para os petroleiros. E é de justiça se registrar nesse episódio a participação fundamental do insigne brasileiro, seu amigo, Doutor Aureliano Chaves. Tivemos sempre juntos na AEPET e sua atuação, em todos os cargos que ocupou, inclusive o de presidente da nossa entidade, a sua atuação foi de um militantes esclarecido e líder sereno e alegre, mas sempre firme nos momentos necessários e na defesa da nossa Petrobrás”.

Para Maranhão, essas suas palavras “não constituem uma despedida, muito menos uma separação. Continuaremos todos, juntos e unidos, pelos mesmos sentimentos, pelos mesmos princípios, pelos mesmos sonhos e pelos mesmos ideais que você defendeu, pela grandeza da Petrobrás e pelo desenvolvimento pleno do Brasil. Um abraço definitivo de todos os seus amigos e de todos os seus companheiros, meu querido amigo Heitor Manoel Pereira”.

Não haverá justiça social sem soberania nacional – O deputado estadual Paulo Ramos (PDT-RJ) disse que falar do Heitor Pereira naquele momento foi uma tarefa de duplo significado: “Falar de Heitor Pereira é muito fácil, mas difícil é falar nesse momento. O fácil de falar tem a ver com os exemplos de luta, de coerência e de firmeza”. “Heitor representou uma referência. Qualquer um que pudesse, em qualquer momento, vacilar sobre a defesa da Petrobrás e sobre a defesa da soberania nacional, e no momento, diante da possibilidade da vacilação, lembrasse de Heitor Pereira, recuperaria a firmeza”.

“Aqui há muitos rostos conhecidos, pois são aqueles que, em torno da Petrobrás, assumiram a compreensão do significado de um país soberano. Um país só poderá ser soberano se tiver um modelo autônomo de desenvolvimento para ser socialmente justo. Não haverá justiça social sem soberania nacional. O Heitor demonstrava isso na sua luta”, destacou o deputado Paulo Ramos.

“Enquanto houver brasileiros como Heitor Pereira, o Brasil não será entregue. Daqui para diante seremos vários Heitor na defesa do Brasil” (Francisco Soriano).

Falando em nome do Sindipetro-RJ, o petroleiro Francisco Soriano destacou: “Heitor Pereira foi incansável na busca da união dos brasileiros em defesa dos interesses nacionais”. Soriano lembrou que Heitor conseguiu um grande reforço na greve dos petroleiros, em 1995, quando mobilizou cerca de 200 engenheiros para apoiar os grevistas, que lutavam por melhores salários.

Mensagem do Diretor da Petrobrás, Guilherme Estrella

O vice-diretor Cultural da AEPET, Ricardo Latgé, leu a seguinte mensagem do diretor de Exploração e Produção da Petrobrás: “Na sociedade em construção existe o empenho pessoal de muitos de seus componentes. A maioria das pessoas, entretanto, decidem nunca se envolver, principalmente quando isso envolve risco de qualquer ordem. Satisfazem-se com contribuições na dimensão técnica, econômica, desperdiçando a imperdível oportunidade que a vida nos oferece para, ao lado do desempenho das nossas atividades profissionais, venhamos a contribuir para as imprescindíveis mudanças que se fazem necessárias na sociedade em que vivemos. Esquecem-se que a melhoria permanente das relações sociais, que é a que confere qualidade política das sociedades humanas, se baseia na reflexão e na atuação política de cada um. Na verdade, cumprem apenas, parcialmente, seus deveres como cidadãos, porque é através da participação da dimensão política que postulados éticos das relações entre pessoas, entre pessoas e empresas, entre pessoas e governos, entre empresas e governos, e entre governos e governos, sejam abordados, discutidos e resolvidos. E é através da política que se estabelece linhas mestras para ações positivas individuais, mas principalmente coletivas no sentido da superação das tremendas e profundas injustiças entre os seres humanos exibida na realidade social que vive em todo o mundo. Morreu Heitor Pereira, 84 anos, presidente da AEPET, batalhador incansável por causas políticas sempre aderentes ao avanço permanente dos aspectos éticos da sociedade brasileira, no espaço em que atuou profissionalmente. Menos um na trincheira das lutas pelo restabelecimento de condições sociais justas, éticas e equilibradas, que venham a garantir que nossos netos tenham direito de viver num mundo em que oportunidades iguais sejam a todos garantidas, desde da concepção, para que tenham condições existir e praticar as suas potencialidades e por isso serem remunerados e retribuídos pela sociedade. Felizmente, o colega e ser humano Heitor deixou descendentes, herdeiros e sua luta cotidiano por um Brasil melhor. Momento mais que certo para lembrar a velha e surrada, mas inqüestionavelmente atual e profunda expressão: A Luta Continua”.

Carlos Eduardo Pereira Capanema Garcia, neto de Heitor, concluiu: “Nós estamos sentindo muito orgulho ao assistir diversas pessoas falarem bem do Heitor. Acho que a maior homenagem que posso fazer é dizer que se, na minha vida inteira, conseguir chegar a 10% do pai que ele foi, do marido que ele foi, do avô que ele foi, vocês podem ter certeza que serei o cara mais feliz desse mundo”. Ele ressaltou que Heitor permanecerá em todos nós por muitos e muitos anos, “muita coisa dele permanecerá na vida de todo mundo”.

Oração de Santo Agostinho – A neta do Heitor, Luciana Pereira Capanema Garcia, leu a seguinte oração de Santo Agostinho: `A morte não é nada. / Eu somente passei para o outro lado do Caminho. / Eu sou eu, vocês são vocês. / O que eu era para vocês, eu continuarei sendo. / Me dêem o nome que vocês sempre me deram, falem comigo como vocês sempre fizeram. / Vocês continuam vivendo no mundo das criaturas, eu estou vivendo no mundo do Criador. / Não utilizem um tom solene ou triste, continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos. / Rezem, sorriam, pensem em mim. Rezem por mim. / Que meu nome seja pronunciado como sempre foi, sem ênfase de nenhum tipo. Sem nenhum traço de sombra ou tristeza. / A vida significa tudo o que ela sempre significou, o fio não foi cortado. Porque eu estaria fora de seus pensamentos, agora que estou apenas fora de suas vistas? / Eu não estou longe, apenas estou do outro lado do Caminho… / Você que aí ficou, siga em frente, a vida continua, linda e bela como sempre foi.`

“Heitor dizia que família são aqueles que a gente escolhe. São os amigos, são as pessoas que gostam da gente. Ou seja, ele tem uma família muito grande. A família são todos vocês. Muito obrigado por esse momento”, declarou Luciana, sob longos aplausos.

O Imortal – Heitor Pereira – O conselheiro do Clube de Engenharia, Hernani Bottega, leu uma poesia em homenagem a Heitor: “Quando morre um verdadeiro nacionalista, assim como o poeta, ele vira imortal. / Quando desaparece um lúcido amigo, fica em todos nós uma significativa lembrança. / Quando passa um corajoso homem, sempre deixa a sua marca. / Nacionalista, amigo, corajoso, imortal marca, Heitor Pereira.”

A funcionária da AEPET, Ivana Paranhos, leu alguns versículos da Bíblia e proferiu algumas palavras de reconhecimento pela liderança, pela pontualidade e rigor de Heitor no controle da execução das tarefas diárias na entidade.

Enviaram homenagens e mensagens de pêsames, bem como compareceram ao velório e a cerimônia diretores e dirigentes das seguintes organizações: AEPET e seus núcleos, AMBEP, CONAPE, Sindipetro-RJ, Clube de Engenharia, CDPP, Senge-RJ, Fisenge, Petros, Dr. Castagna Maia, Comissão Gaúcha em Defesa do Monopólio Estatal do Petróleo, ASTAPE-RJ, APAPE, FNP, CeCac, UNAFISCO-RJ, CORECON-RJ, Sindcon, FENASPE, Amigos Nativistas, CEBRASPO, EPE, PCB, PDT, PT, MR8, entre outros. Enviaram mensagens: Almirante Gama e Silva; Brigadeiro Sérgio Ferolla; Alcyr Nordi e Ronaldo Tedesco, Coordenadores do CDPP; o deputado federal Roberto Magalhães (DEM/PE); Luiz Cláudio, pelos missionários do CIMI Norte II; Antonio RIvas, Gerente Geral da Unidade de Exploração e Produção da Petrobrás,na Bahia; Prof. Mario Cesar Vidal, Ergonomia COPPE-RJ; Dalton Francisco dos Santos – Geólogo plena da Petrobras e diretor do Sindipetro-ALSE, entre outros.

(*) Fonte: AEPET.

Publicado também na Agência Petroleira de Notícias (12/03/08 21:45)

Tagged

Deixe uma resposta

Powered by themekiller.com anime4online.com animextoon.com